quinta-feira, 29 de junho de 2017


Pata na Poça

A CNN cada vez se enterra mais. Depois do produtor John Bonifield do canal admitir que a interminável cruzada da CNN foi "principalmente estupidez", dirigida pelo pelo CEO da Rede Jeff Zucker. Agora há um segundo vídeo com Van Jones da CNN, que, inadvertidamente, revelou os seus verdadeiros pensamentos sobre a narrativa da "intromissão russa. Disse que toda a história é um "grande hamburguer de nada".
PV Reporter:  "O que você acha que vai acontecer esta semana com toda a Rússia?"
Van Jones:  "A coisa da Rússia é apenas um grande nada de hambúrguer".

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Gloriosa

A feminista e activista Gloria Steinem foi agente da CIA. Ela explica tudo com pormenores numa entrevista que o fundador da Wikileaks recuperou. A propósito do enxame de jornalistas da CNN, Nww York Times e Washington Times que trabalharam para ou com a famosa agência.

Julian Assange‏ @JulianAssange  5 hHá 5 horasMais
Here's Gloria Steinem talking about her work as a CIA agent [later she dated Kissinger during his Nixon appointment]

Obama testemunho


terça-feira, 27 de junho de 2017

American Pravda


Já se sabia que a CNN não tem credibilidade jornalística. Um produtor do canal descreveu a intensa especulação sobre a Rússia ter ajudado a campanha presidencial de Trump como "bullshit". O produtor John Bonifield, admitiu que a organização anti-Rússia é apenas uma classificação. Não temos nenhuma grande prova", disse. "A CIA faz constantemente merda. Eu acho que o presidente provavelmente está certo quando diz que há uma caça às bruxa", afirmou Bonifield que explica até que ponto a CNN insistiu na Rússia, descrevendo uma reunião em que os repórteres foram informados pelo CEO para parar de cobrir os acordos climáticos, pedindo em vez disso para voltarem ao assunto da Rússia. Entretanto a CNN já desmentiu a investigação de um "fundo de investimento russo com vínculos a funcionários do Trump. Entretanto três proeminentes jornalistas da CNN ligados à história da Rússia-Trump demitiram-se ontem. "Depois que a rede foi forçada a pedir desculpas por uma história que liga Trump e Anthony Scaramucci a um fundo de investimento russo sob a investigação do Congresso. Esse artigo - como muitos relatórios da Rússia dos meios de comunicação dos EUA - foi baseado numa única fonte anónima e agora, a rede não pode atestar a precisão das suas reivindicações centrais", adiantou Glenn Greenwold nd O Intercept. Os jornalistas demitidos são Thomas Frank, que escreveu a história, o repórter Eic Lichtblau que ganhou o Pulitzer, e Lex Haris, chefe de uma nova unidade de investigação. A CNN disse que "os processos editoriais padrão não foram seguidos quando o artigo foi publicado. E este episódio segue uma correcção embaraçosa que a CNN foi forçada a emitir no início deste mês, quando várias das suas personalidades de alto perfil afirmaram - com base em fontes anónimas-que James Comey, no seu depoimento no Congresso, negara a alegação de Trump de que o director do FBI  lhe assegurou que não era alvo de nenhuma investigação. Quando Comey confirmou a história de Trump, a CNN foi forçada a corrigir a sua história" (Convém ler The Intercept. As televisões portugueses, os jornais Público, Observador e DN repetem as fake news da CNN e do Washington Post. São as suas referências, péssimo jornalismo nada confiável. Talvez por ignorância ou estupidez)

Record Store


Other Music

O primeiro trailer do documentário da Other Music estreou hoje em Nova Iorque. O filme centra-se na história de 20 anos e no legado desta loja de discos que fechou em Junho passado. O clip apresenta vários músicos como Stephin Merritt of the Magnetic Fields e Daniel Kessler da Interpol entre outros e alguns actores. Jason Schwartzman e Benicio Del Toro falam sobre o que o espaço significava para eles. Há também uma série de imagens das muitas performances que aconteceram ao longo dos anos na lendária loja da Fourth Street, no SoHo. O aumento crescente das rendas e a mudança da indústria da música contribuíram para o encerramento de Other Music onde eu costumava comprar as entradas para os concertos na Downtown. Nova Iorque mudou. Para pior.

Vetements

Se o formato de desfile está esgotado, qual é a opção? A actual marca querida dos fashionistas veio com uma alternativa inusitada e de efeito cómico nesta temporada de Primavera-Verão 2018. A Vetements, que acabou de se mudar para Zurique, convidou pessoas que encontrou nas ruas da cidade para posarem para o seu lookbook. Foi o próprio Demna Gvasalia quem as fotografou. Até garantiu que as próprias pessoas escolheram as roupas que queriam usar e aprovaram as fotos finais. O estilista georgiano apresentou ainda um livro de imagens com modelos fazendo poses. Os cliques na rua com lojas ao fundo (tem até uma Prada ali no meio!) apropriando-se de elementos estéticos da fotografia de moda mas deslocando-os do contexto, bem do género que a Vetements e os hipsters em geral gostam. Quanto a roupa, nenhuma novidade. Mais do mesmo.

Alexander McQueen

As bruxas pagãs do desfile anterior encontram e influenciam a colecção masculina da Alexander McQueen nesta Primavera-Verão 2018 que foi apresentada na Semana da Moda de Paris. "Amo a ideia do paganismo e do fazer-construir-remendar, e de exploradores e pioneiros", afirmou Sarah Burton que é a directora criativa da marca. A sua sofisticada alfaiataria continua presente, mas agora com esses toques orgânicos do bordado de linha vermelha, com certo clima monástico–místico nos acessórios e em algumas silhuetas.

Opposition


The Essential Zizek

Slavoj Žižek, o aclamado filósofo esloveno e autor de mais de 30 livros, publicou The Ticklish Subject que, alguns dizem ser a sua melhor obra. O "Elvis da teoria cultural", como lhe chamam nos Estados Unidos é o intelectual mais controverso dos tempos actuais. O seu trabalho atravessa os campos da filosofia, da psicanálise, da teologia, da história e da teoria política, incorporando filmes, cultura popular, literatura e até piadas.

Brincadeira cara

O lendário tenista Boris Becker que inadvertidamente gastou 25 milhões de dólares depois de engravidar uma modelo russa no armário de vassouras do restaurante Nobu de Londres, agora viu a sua fortuna diminuída até o ponto da falência. Três vezes campeão de Wimbledon, foi declarado falido num tribunal britânico na semana passada, apesar de ter ganho cerca de 100 milhões de libras durante a sua carreira estelar. O alemão, de 49 anos, concebeu uma criança em 1998 com a manequim Angela Ermokova que acabara de conhecer. Posteriormente teve que pagar um montante fixo de 2 milhões e ainda uma mensalidade de 25.000 libras para a criança, de acordo com o Times. A sua filha filha tem agora 17 anos. "Foram os cinco segundos mais caros da sua vida", disse Becker. A primeira esposa, Bárbara, que estava grávida do seu segundo filho na época, pediu o divórcio. Custou-lhe 11 milhões e a casa de família. Agora está casado com a segunda esposa Lilly de que tem um filho. Apesar dos danos financeiros, ainda goza do trabalho  lucrativo da media, incluindo comentários para a BBC no All England Tennis Championships.

Momentos interessantes


"Há uma antiga maldição chinesa que diz: "Viver em momentos interessantes!"Tempos interessantes são os tempos de problemas, confusão e sofrimento. E parece que, em alguns países "democráticos", estamos testemunhando recentemente um fenómeno estranho que prova que vivemos em momentos interessantes: um candidato emerge e ganha as eleições saindo do nada, num momento de confusão construindo um movimento em torno de seu nome. Berlusconi e Macron explodiram assim. Esse processo é um sinal? Definitivamente não vem qualquer tipo de popularidade directa. Envolvimento além da política partidária - pelo contrário, nunca devemos esquecer que tais números explodem com o apoio total do estabelecimento social e económico. Sua função é ofuscar antagonismos sociais reais - as pessoas estão magicamente unidas contra alguma ameaça "fascista" demonizada...Já os nomes de seus respectivos movimentos soam semelhantes na sua universalidade vazia que se encaixa em todos e em tudo. Quem não concordaria com Forza Italia? Ou com La Republique En Marche? - ambos designam o sentido abstracto de um movimento vitorioso sem qualquer especificação da direcção desse movimento e do seu objectivo....Julian Assange escreveu recentemente que a razão pela qual o establishment do Partido Democrata abraçou a narrativa "Nós não perdemos - a Rússia ganhou" é porque, se não o fizessem, a insurreição criada por Bernie Sanders durante as eleições presidenciais do ano passado dominaria a festa. Os democratas dos EUA diabolizam Trump para se livrarem de Sanders que representa uma ameaça para o establishment democrático. O establishment francês diabolizou Le Pen para se livrar da radicalização de esquerda em potencial... O Reino Unido é um caso especial. O Partido Trabalhista, sob a liderança da Corbyn - que está emergindo como a principal ameaça para o estabelecimento. Então, talvez possamos imaginar um novo "centro radical" anti-Brexit, composto pela ala Blair do Partido Trabalhista, Lib Dems e conservadores anti-Brexit que explodirão sob o pretexto de conter a ameaça de Brexit, mas na realidade destinada a se livrar da ameaça trabalhista. Na verdade, vivemos momentos interessantes. (Slavoj Zizek-Get the Left-Counterpunch)

O corpo da aldrabice

"A “arte contemporânea” é um instrumento interessante para lavagem de dinheiro. Oligarcas russos, potentados privados do Oriente, multimilionários e estados do Golfo, burgueses enriquecidos pela construção civil ou “antigos jovens” protegidos por alguns negócios bem remunerados – os poderosos investem generosamente em “arte contemporânea” e transformam-se em “patronos da cultura”, o que é hoje melhor do que ter o Euromilhões. Todos ganham: ‘marchands’ que conhecem bem demais as fraudes do seu ofício, pacóvios que apreciam “arte decorativa” para a sala de estar, artistas que têm de fazer pela vida, “curadores” que teorizam sobre a herança de Duchamp e a esperteza de Damien Hirst, coleccionadores fantasiados de misantropos. Em matéria de “arte contemporânea”, por isso, a cultura lava muito mais branco. O sistema de retribuições da “arte contemporânea” baseia-se no receio de parecer iletrado diante de tão notáveis obras, como uma barragem da EDP pintada de amarelo. Quem se atreve a rir do assunto? No fundo, a “arte contemporânea” ainda é mais barata do que as facturas da electricidade..." (Francisco José Viegas). A intervenção foi do artista Pedro Cabrita Reis na barragem da Bempost, no Mogadouro..

Matar Assange

WikiLeaks‏Conta verificada @wikileaks  25 de jun
Mais
 https://wikileaks.org/donate

domingo, 25 de junho de 2017

Sanders investigados

O senador Bernie Sanders e a sua mulher estão a ser investigados pelo FBI sobre um empréstimo obtido para expandir o Burlington College quando ela era presidente dessa escola privada do Vermont. O director disse que a escola vai no final deste mês, citando "o peso esmagador " da dívida incorrida durante a presidência de Jane Sanders que dirigia a faculdade entre 2004 e 2011. De acordo com a Washington Post, a faculdade enfrentou problemas financeiros ligados à compra de 32 acres de terreno à beira do lago da Arquidiocese de Burlington. Vendeu imóveis para reduzir a sua dívida a um nível gerenciável, mas depois enfrentou problemas de fluxo de caixa devido à perda de uma linha de crédito. Para financiar a compra da propriedade da diocese católica, Jane Sanders pediu 10 milhões em empréstimos. As promessas e compromissos de arrecadação de fundos que mencionou nos contratos de empréstimo nunca se materializaram. Menos de um ano depois, renunciou ao cargo, recebendo uma indemnização de 200.000 dólares. Bernie Sanders, ex mayor de Burlington, serviu na Câmara dos Deputados dos EUA de 1991 a 2007 e desde então representou Vermont no senado dos Estados Unidos. Jane Sanders desistiu em 2011 no meio de uma disputa com o conselho da faculdade. Depois que o marido lançou a sua campanha presidencial, surgiram notícias que sobre o pedido de empréstimo para a compra imobiliária junto ao lago. Jane Sanders descartou essas histórias como motivadas politicamente e disse que a questão não tinha motivado a sua saída da faculdade. Um comunicado de imprensa do Burlington College, publicado ontem, chamou a atenção para os obstáculos financeiros insuperáveis ​​neste momento. Agora a revista Politico informou  que os Sanders contrataram advogados para os defender. Afirmou ainda que os promotores também podem estar investigando alegações de que o escritório do senador Sanders instou indevidamente o banco a aprovar o empréstimo. Interessante que um número crescente de pessoas em torno de Hillary Clinton esteja de repente sob o escrutínio do FBI?


Julian Assange‏ @JulianAssange  18 hhá 18 horas
Mais
 Democrats talking up the FBI finally produces the results I, @ggreenwald and others warned that it would. Dolts! Bernie and Jane Sanders, under FBI investigation for bank fraud, hire lawyers.


Julian Assange‏ @JulianAssange  19 hHá 19 horas
Mais
 Why the Democratic party is doomed: 1. The Democratic establishment has vortexed the party's narrative (cont) http://tl.gd/n_1spvr6n

Frances Bean Cobain

A filha de Courtney Love e Kurt Cobain inaugurou a sua segunda exposição na Califórnia. Uma semana depois, todas as obras estavam vendidas. A filha do homem que moldou a década de 90 com a sua música e atitude, mostra novos trabalhos na galeria 30 de South Pasadena. A mostra intitulada "Ghosts to Sell" foi feita em conjunto com o ilustrador e cantor cantor Lindsey Way. É a primeira vez que Frances Bean Cobain, que tem 24 anos, mostra as suas obras sob o seu próprio nome. Na sua primeira exposição em 2010 usou o pseudónimo de Fiddle Tim. Os trabalhos, que poderiam ilustrar livros sombrios, lembram os desenhos animados de Tim Burton. Mas também evocam as psicoses das pinturas de Edvard Munch. Custam entre 1.000 e 4.000 euros. Em contraste com o movimento grunge que cultivou as unha sujas e a angústia existencial, ela adora fazer compras. Até já passou moda de Marc Jacobs e foi modelo fotográfico de Hedi Slimane. Nem sequer gosta particularmente da música dos Nirvana.

Retaliação

Um novo relatório do Washington Post, citando uma série de funcionários da administração Obama, reitera a sua narrativa oficial sobre a acusação de hacking da Rússia nas eleições de 2016. O artigo que apela ainda a sanções, também revelou uma ordem secreta pelo presidente Obama no caso de "retaliação" envolvendo a inteligência dos EUA com vista a implantar uma série de ciber cafés nos sistemas da infra-estrutura da Rússia. Os funcionários disseram que devem ser activados remotamente para atingir as redes mais importantes da Rússia e são projectados para " causar dor e desconforto". Os implantes, desenvolvidos pela NSA, são projectados para atingir as redes russas consideradas "importantes para o adversário e isso lhes causaria dor e desconforto se fossem interrompidas". Poderiam ser activados no caso de a Rússia atacar uma rede eléctrica americana ou interferir numa futura disputa presidencial dos EUA. Apesar da natureza de longa data das ameaças, no final do último mandato de Obama, o projecto ainda estava em fase de "planeamento". Não está totalmente claro como se materializou, mas as autoridades dizem que a comunidade de inteligência, uma vez dada a permissão de Obama, não precisavam de aprovação de Trump para continuar. O actual presidente teria que emitir uma ordem de contra-ordenação. Mas as autoridades disseram que não viram nenhuma indicação de que Trump tenha feito isso", segundo o Post.

Jeff Koons


 Scarlett Johansson surge a relatar um mini-documentário de oito minutos sobre a vida e a arte de Jeff Koons. O avô da actriz americana  era um historiador de arte. A obra filmada a partir do Museu de Arte Contemporânea (MOCA) em Los Angeles foi realizada por Oscar Boyson.

Julia Peyton-Jones

Julia Peyton-Jones, a co-directora de longa data da Serpentine Gallery em Londres, é agora a "directora global sénior da Galerie Thaddaeus Ropac com sede em Salzburgo, Paris e Londres. Fundada em 1983 representa actualmente cerca de 60 artistas. Peyton-Jones de 65 anos, uma das figuras mais respeitadas e admiradas do mundo da arte, dirigiu durante 25 anos a Serpentine com Hans Ulrich Obrist.

Revistas



Kerry James Mardhall


Como um novo livro, publicado na Phaidon, documentando a sua carreira de 35 anos, o artista Kerry James Mardhall fala da sua prática que associa a "democratizar a arte política". Houve um tempo em que este pintor de Atlanta achava que sua arte não ia a lugar nenhum. Descreve essa época, depois de terminar a escola de arte em 1980, como "empurrando a pintura". Mas tudo mudou. "Então senti que precisava reajustar as minhas prioridades e descobrir que tipo de arte queria fazer", disse.  Então, pintou um auto-retrato como se fosse uma sombra do seu eu com referências à arte renascentista do século XVI holandês. Um estereótipo racial enfrentando o uso de uma pele afro-americana pintada de preto. Esta pintura aparece no novo livro Kerry James Marshall dos artistas contemporâneos Charles Gaines, Laurence Rassel e Gregory Tate. É a primeira grande pesquisa da carreira de 35 anos de Marshall, que inclui fotografias, desenhos iniciais e entrevistas. Actualmente tem uma retrospectiva em circulação. Com o movimento Black Lives Matter em força nos Estados Unidos, Marshall ganhou uma nova geração de fãs politizados. O artista afirma que a experiência de estudar arte nos anos 1970 em Los Angeles e o movimento Black Power da época influenciaram o seu trabalho. A sua política manifesta-se no que ele qualifica como "apenas fazendo isso".

Balmain

Posicionamento político declarado na colecção de primavera-verão 2018 masculina da Balmain, apresentada na Semana de Moda Masculina de Paris – o desfile demonstra o orgulho e a esperança dos franceses em relação ao seu novo presidente eleito, Emmanuel Macron. Surgem também referências aos EUA, em camisetas desconstruídas com a bandeira do país, na versão colorida e P&B. O arabesco barroco, apresentado na primeira parte do desfile, é inspirado no interior de grandes palácios franceses.

Manolos

Depois do Azulcrination, o esmalte azul da linha Isabeli Fontana para Risqué, nunca houve um trocadilho tão interessante numa parceria com uma famosa… até agora. A terceira e última parte da colecção de Rihanna com Manolo Blahnik chama-se So Stoned. Além da tradução que pode ser "tão entorpecido com canabis" também se refere à pedraria que é a grande estrela dos quatro pares de sapatos que vão ser lançados em Julho. Os modelos trazem grande parte da estrutura em PVC transparente. E o salto é transparente também. Bem...de qualquer maneira são "manolos".

Crescer com raiva

É importante crescer com raiva. Eu ainda não deixei de a ter. A raiva mantém-me viva. Vou comprar este livro na Amazon de Daniel Wolff.

Indu Kush

"As minhas viagens ao longo do "Talibanistão", algumas delas documentadas na Asia Times, achei que o Talibã fosse piedoso e moralista, inserido numa espécie de obscuridade fortemente ponderada, praticamente inacessível. Mas os principais actores neste renovado Grande Jogo no Hindu Kush estão longe de ser os Talibãs. É tudo sobre a diáspora jihadista após o colapso do califado na Síria. O ISIS já está enviando jihadistas retirados do Iraque e da Síria para o Hindu Kush. Ao mesmo tempo, está industriando activamente dezenas de Pashtuns com muito dinheiro e armas - uma força de trabalho que inclui dezenas de milhares de potenciais  suicidas. Além dos afegãos, um novo lote de recrutas inclui chechenos, uzbeques e uiguros, todos capazes de misturar-se com a paisagem numa região montanhosa inacessível, mesmo para os MOABs do Pentágono. Não é de admirar que os afegãos secularizados em Cabul já temam que o Afeganistão seja a nova cidadela de um califado restaurado. Contra o Estado Islâmico proclamado Khorasan (ISK), cabe ao SCO - principalmente China, Rússia, Índia e Paquistão - criar uma brigada de resgate. Caso contrário, a integração euro-asiática estará em perigo mortal em todo o cruzamento da Ásia Central e do Sul..."(Pepe Escobar, Counterpunch).

Participe do debate no Facebook

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Peaches


Ann Demeulemeester

O espectáculo inspirado por Robert Mapplethorpe na Semana da Moda Masculina de Paris. A colecção romântica foi uma homenagem ao fotógrafo e ao momento criativo de Nova Iorque nos anos 70 e 80. Da estilista belga Ann Demeulemeester.

Louis Vuitton

Com música inédita de Drake na banda sonora, o estilista Kim Jones apresentou a colecção de Primavera-Verão 2018 da Louis Vuitton na Semana de Moda Masculina de Paris. O oversize agora é complementado com um chapéu de pescador evocando os anos 90, a roupa de surfista, camisas havaianas e colares sem história daqueles que se compram nas praias. As calças com ajuste de elástico na barra são uma novidade. Um hit?